top of page

Digitalizando a última milha e os robôs entregadores



Fonte: JD.com

Desde a primeira vez que visitei uma exposição de robótica na China há alguns anos, venho acompanhando mais de perto os desenvolvimentos em Internet das Coisas, veículos autônomos, inteligência artificial, e outros componentes tecnológicos que suportam o conceito de redes de suprimentos digitais. Naquela primeira visita ao Oriente, fiquei impressionado com a presença vibrante de start-ups e experimentos com a digitalização. Em nível nacional, notei o investimento focado em tecnologia como um meio de alavancar o progresso econômico e alcançar as nações desenvolvidas no Ocidente. Eu compartilhei minhas primeiras impressões em duas postagens "O fim do mundo como o conhecemos: inteligência artificial e transformação econômica" e "A ascensão das máquinas: a revolução tecnológica no Oriente e a transformação global". Desde então, eu tenho procurado refletir sobre o que vemos em feiras tecnológicas a cada ano para tentar identificar padrões que sugiram o que está por vir e conectar os pontos.

Fonte: PepsiCo

Entre as muitas tecnologias interessantes apresentadas no Consumer Electronics Show 2019 estavam os robôs de entrega e os drones. PepsiCo e Robby mostraram o Snackbot. Os Snackbots transportam lanches e bebidas do portfólio Hello Goodness da PepsiCo. A empresa está lançando uma frota de robôs carregadores de lanche no campus da Universidade do Pacífico, na Califórnia. A ideia é que os alunos possam fazer seus pedidos no aplicativo iOS e recebê-los em locais selecionados no campus. O Snackbot da PepsiCo parece ser o primeiro robô autônomo desenvolvido por uma empresa de produtos de consumo que fornece produtos nos EUA.


A Continental exibiu seu conceito de entrega de pacotes durante o show, que consiste em robôs-táxis que conduzem robôs inspirados em caninos que entregam autonomamente as encomendas à porta do cliente. A Continental propõe fornecer uma cadeia de mobilidade integrada, composta por um veículo sem motorista e um robô de entrega para entregar os pacotes aos clientes. A idéia é eliminar a necessidade de sair e encontrar a van, pois os cães-robôs de entrega podem deixar o trailer e andar pelas calçadas, subir os degraus da varanda da frente, ir direto para a porta e até mesmo tocar campainhas.


A presença de robôs de entrega e drones no CES 2019 destaca os avanços e investimentos contínuos em pesquisa e desenvolvimento em veículos autônomos para logística de última milha. Tem sido fascinante ver as soluções inovadoras que os indústrias estão desenvolvendo e experimentando para a entrega em áreas suburbanas e urbanas. Os experimentos da PepsiCo e da Continental aumentaram minha curiosidade sobre o que mais está se formando nesse espaço. Bem, há um bocado! Podemos organizá-los livremente em "entrega de pacotes sob demanda" e "entrega de alimentos e compras autônomas".

No lado da entrega de encomendas a pedido, nestes últimos dias, tivemos o anúncio do Fedex Sameday Bot. A ideia é que os varejistas possam aceitar pedidos de clientes próximos e entregá-los diretamente por bot até as residências ou empresas dos clientes no mesmo dia. A FedEx está colaborando com empresas como a AutoZone, a Lowe’s, a Pizza Hut, a Target, a

Walgreens e a Walmart para ajudar a avaliar as necessidades autônomas de entrega no mesmo dia e no último quilômetro dos varejistas. O bot deve viajar nas calçadas e ao longo das estradas e entregar remessas menores. Inclui tecnologia de segurança para pedestres e tecnologia avançada,

como o lidar e múltiplas câmeras. O bot também terá algoritmos de aprendizado de máquina para detectar e evitar obstáculos, plotando caminhos seguros e permitindo que o robô siga as regras de segurança e de estradas. Vai funcionar nas ruas cheias e às vezes bagunçadas? Os testes vão nos dizer em breve quais futuros desenvolvimentos virão em seguida. Enquanto isso, a Amazon.com Inc. começou a testar em campo um veículo de entrega compacto e autônomo chamado Amazon Scout.


A Starship Technologies Inc. lançou um serviço de entrega de pacotes sob demanda para os consumidores receberem itens entregues por seus robôs autônomos móveis diretamente para as portas dos clientes. A ideia é que os clientes interessados ​​no serviço se inscrevam para uma assinatura mensal e baixem o aplicativo Starship (para iOS ou Android). Uma vez inscritos, os clientes recebem um endereço pessoal e um código que corresponde à localização de uma instalação de distribuição local. Em vez de colocar seu endereço residencial online para entrega, os clientes usariam esse novo endereço pessoal. Starship também está experimentando a entrega de comida no campus da Universidade George Mason.


Na distribuição autônoma de gêneros alimentícios e mercearias, o Kroger e a Nuro estão colaborando para fornecer mantimentos usando uma frota de veículos de entrega sem motorista. Os carros autônomos começarão a entregar leite, ovos e pão por meio de um programa piloto no final deste ano em um mercado ainda não especificado. Os veículos de entrega autônomos funcionarão com o sistema de entregas no mesmo dia da ClickList do Kroger e com o aplicativo da Nuro.


A Stop & Shop e a Robomart estão colaborando para levar ao cliente uma seção de produtos itinerantes, ou seja, uma seção de produtos móveis. A ideia é que o cliente ligue para o veículo autônomo e, quando chegar, o cliente escolhe o que quer e paga através do aplicativo. As instalações Stop & Shop vão reabastecer os produtos na loja de robôs durante o dia e monitorá-los através de um piloto remoto que pode controlar a jornada e o inventário do veículo.

Outros exemplos neste espaço incluem a Ford usando o serviço de entrega Postmates para levar os produtos Walmart às casas dos clientes através de veículos Ford autônomos; a parceria entre a GM's Cruise e a DoorDash para entrega de alimentos, e a AutoX e GrubMarket usando veículo autônomo para levar os mantimentos dos clientes. Para terminar olhando novamente para o leste, JD começou a experimentar no início deste ano com estações de entrega inteligentes. Os funcionários podem carregar os robôs de entrega com até 30 pacotes, de modo que os robôs possam entregá-los autonomamente em um raio de 5 km. Os veículos podem planejar rotas, evitar obstáculos e reconhecer semáforos. Tecnologia de reconhecimento facial permitirá aos usuários coletar suas parcelas.


Começa a parecer que, para o futuro próximo, os drones podem servir áreas suburbanas, enquanto os robôs terrestres de última milha podem ajudar as áreas urbanas. Também podemos ver diferentes soluções para a entrega de última milha, onde algumas empresas estão investindo em seus robôs de entrega de última milha, enquanto outras estão desenvolvendo soluções para as empresas que não estão interessadas em sua própria tecnologia. Muitos desafios e oportunidades de pesquisa e transformação de negócios nesses espaços. À medida que avançamos, haverá muitos desafios e oportunidades na interação homem-máquina.




Comentarios


bottom of page